fbpx

Blog

O que esperar do Ibovespa para esse início de ano?

 

Recapitulando um pouco o que aconteceu no ano passado, o Ibovespa, que vinha de 5 meses seguidos de queda, fechou o mês de dezembro em leve recuperação de 2.85%. Porém, pelo menos nessa primeira semana de janeiro, voltamos ao ritmo do segundo semestre de 2021. Já iniciamos essa primeira semana em queda de 2.01%. E por que isso está acontecendo? Na verdade, existem alguns fatores, mas os principais são as instabilidades nas economias mundiais.

 

Esses fatores externos, como a confirmação pelo Banco Central Americano que os dados de inflação nos EUA estão maiores que o previsto, consequentemente a perspectiva de alta de juros antes do previsto, lá nos EUA, tem um efeito sobre as empresas dependentes de crescimento e do custo de capital, como as de tecnologia. Fora isso, ainda temos os reflexos de Covid, cujo índice de transmissividade está ainda maior com as novas variantes e após as aglomerações depois das festas de final de ano.

 

 

Já economia brasileira também está passando por instabilidades. As questões locais refletiram negativamente principalmente nos 3 primeiros pregões do ano, com as incertezas sobre a atividade econômica, com a projeção do PIB para 0,28% ao final do ano, além da pauta fiscal, que deve causar grande volatilidade em todo 2022.

 

No final dessa primeira semana de pregão no ano, o IBOV teve dois dias de alta, mas não conseguiu recuperar a perda dos 3 primeiros dias. Os setores que mais contribuíram para esse ensaio de reversão de movimento foram os de commodities e financeiro. Esse cenário de incerteza afetou principalmente o setor de serviços e de utilidade pública.

 

 

O mercado deve seguir pisando em ovos com todo esse contexto externo e seguir uma tendência de maior aversão ao risco. E a economia brasileira, mundialmente falando, é sustentada pelas commodities. Nós somos um país exportador de matérias primas para o mundo. Somos um país que precisa que as principais economias mundiais estejam rodando bem. Porque aí eles demandam as nossas commodities, fazendo girar a roda da economia interna.

 

 

 

Ainda nesse cenário, é quase unanimidade dos especialistas que temos muitas empresas boas que compõem o índice brasileiro que estão muito baratas. Considerando que este ano ainda vamos ter muita volatilidade, seria interessante proteger o nosso capital com ativos de menor risco e ainda, aproveitar essa “liquidação” nos preços de muitas empresas boas.

Louise Leal

Louise Leal

Economista. Contribuidora do Blog Mulher na Bolsa

Compartilhar
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Leave a Comment